terça-feira, 5 de junho de 2007

Um filme a perder, numa sala perto de si...ou então não

João Botelho leu, gostou e ficou inspirado... depois de ter lido o «livro» "Eu, Carolina", de Carolina Salgado. Da inspiração surgiu a ideia de fazer um filme cujo mote serão os seis anos em que esta senhora viveu com Jorge Nuno Pinto da Costa. "Corrupção" é o título, ainda que provisório, Nicolau Breyner e Margarida Vila-Nova são os actores escolhidos para interpretarem os papéis principais e as filmagens, essas, arrancam já em Julho. O cineasta garante que gostaria de integrar Maria José Morgado na obra. Será, portanto, e no mínimo, algo verdadeiramente apoteótico.

Na altura em que o «livro» foi lançado fui, de alguma forma, sua defensora na medida em que apresentei uma visão minimamente compreensiva. Tratava-se de um assunto que, na altura, foi mediático e considerado um mini-escândalo. É um tipo de «literatura» diferente, com o seu público-alvo bem definido e surge como consequência do efeito da globalização e da massificação. Nos outros países é algo normal. Certo é que agora surge o filme... não é, propriamente, de estranhar. Trata-se de outra consequência. Também neste caso compreendo mas, tal como no caso do «livro», não deixa de me causar alguma 'espécie'. O que é que os meus caros(as) amigos(as) pensam do assunto?

Em jeito de nota de rodapé deixo só mais algumas informações sobre a «obra», que podem ser consultadas nesse grande e respeitável órgão de comunicação social que é o Correio da Manhã:
"Corrupção’ será realizado por João Botelho e escrito em parceria com a jornalista Leonor Pinhão, sua mulher, competindo à Utopia Filmes, – a mesma de ‘O Crime do Padre Amaro’ –, a produção da longa-metragem e a distribuição à Lusomundo. O título, provisório, representa uma homenagem a Fritz Lang, que na década de 40 dirigiu ‘Big Heat’ – em português ‘Corrupção’ – e o projecto custará mais de um milhão de euros. Se tudo correr como esperado uma série televisiva dará continuidade ao sucesso expectável da exibição nos cinemas.“Será um filme negro, ao estilo dos policiais americanos dos anos 40”, antecipou ao CM João Botelho, explicando ainda que a fita “não vai ter participação activa da Carolina”. “É uma adaptação completamente aberta”, sublinhou o cineasta, amigo de Carolina e conhecido adepto do Benfica, tal como a sua mulher". São todos muito amigos e fica tudo em família lol

3 comentários:

GRaNel disse...

A acefalia abunda neste país. Este é só mais um caso. Ou não... porque se calhar o rapazito arranjou maneira de ganhar umas coroas. Pode ser que sim. Mas fazer cinema (isto depreende-se da noticia do CM) apenas e só pela vertente económica parece-me muito pouco nobre...

jorge c. disse...

Não vou perder tempo sequer a pensar nisto. E a comparação a Fritz Lang é no mínimo ridícula.

filinto disse...

Acho muito bem que se faça cinema vendável. Acho muito bem que se venda este filme para toda a Europa amante de futebol. Deviam até explorar ao máximo outros personagens, como o Mourinho, que ajudaria a entrar no mercado inglês, o Figo, o Rui Costa...

Vamos lá, não sejam púdicos. Por momentos, aqui nos comentários, parecia que estava a ler aquela crónica do Eduardo Prado Coelho em que ele se insurge porque o "Filme da Treta" tinha sido a película mais vista essa semana em Portugal...