terça-feira, 26 de junho de 2007

lx, PS, governo e afins...

Não há Rei nem Roque nas obras públicas portuguesas. Mário Lino é um ministro em desgraça que tenta salvar a imagem, aceitando agora todo e qualquer estudo que a dita sociedade civil lhe queira apresentar. Pergunto eu, se é do interesse do país não deveria ser o Governo a estudar TODAS as alternativas. Começando pela Portela + 1, não porque ache o nome mais pomposo ou porque tema a especulação imobiliária com a sua extinção, apenas porque é a mais barata. Se servir… parece-me lógico que seja aceite.

Mas o desnorte e a imbecilidade não ficam por aqui. Corro o risco de ser chamado de bairrista mas mesmo assim pergunto. Faz algum sentido construir uma linha de alta velocidade que apenas sirva Lisboa e a região Sul? Alguma alminha Portuense ou Aveirense pensará ir a Évora para depois subir para Madrid? Ir a Madrid via Vigo não será só para turistas? O T invertido não seria a hipotese mais consensual? Deixo-vos com o provável mapa do “nosso” TGV. Para os curiosos, há sempre mais informação.

5 comentários:

Marta Araújo disse...

Eu cá acho que não se deve fazer estudos de nada...assim não se constrói nada (nem novo aeroporto nem infraestruturas para o TGV). Nada de nada. A malta ia comprar tabaco, voltava daqui a 20 anos e depois, com calma, aí sim, tomavam-se decisões importantes para o país. Começa a faltar paciência para esta gente.

filinto disse...

Um par de coisas curiosas desta eventual decisão:

1- Uma das prioridades, chegar a Sines, melô! Não consta.

2- A senhora secretária de Estado diz que se não houver OTA não faz sentido haver TGV para Norte de Lisboa porque... O TGV só valia a pena por causa da Ota. Ah! E, claro, não pode passar sem a Ota, mas pode passar sem Pedras Rubras, pois a estação final seria Campanhã.

3- Dizem os defensores do L deitado (em vez do T deitado) que assim Portugal estaria mais perto das redes europeias de velocidade rápida. Mas... se a ligação Porto-Vigo em TGV é de 100 km e a ligação Lisboa-Évora-Badajoz é de 227 km, não estariamos mais perto das redes europeias com uma ligação Porto-Vigo?

Digo eu que não percebo nada.

Aguia disse...

Estudos, estudos, estudos, aquilo vai ser na OTA e vai... andam a enganar o "povo".

Enfim, palhaçada...

O novo aeroporto vai ser na OTA, ponto final... e daqui a 20 anos vamos estar todos contentes.

É a loucura...

Rui Vieira disse...

Quando o Governo seguia obstinado na sua decisão de levar a OTA por diante, surgiu um estudo bem fundamentado que o Governo não podia ignorar.
Esteve mal o ministro, que não ponderou todas as opções possiveis antes de tomar uma decisão tão importante para o País. Esteve bem o minsitro, ao ter a humildade suficiente de parar para analisar o novo estudo.
Quanto ao TGV, ainda tenho sérias duvidas da sua real utilidade, mas a ser necessário, espero que contemple sempre o eixo Porto-Lisboa. A partir daí, que siga as ramificações mais adequadas à ligação a Espanha.

hörster disse...

Os estudos só vão dizer aquilo que os seus respectivos patrocinadores quiserem que eles digam. Quanto a isto não há dúvidas.

Proponho que o amigo Belmiro patrocine mais um estudo, sei lá, "Sá Carneiro+2+TGV". E o Sr. Dr. da AEP que também avance com outro estudo, p. ex. "Sá Carneiro-Leixões (com ampliação do porto comercial)+TGV". Qual Sines qual carapuça! A presença do petróleo ainda nem está confirmada!... Leixões é que é!

Porque T, só se for de Triângulo! Porto (sá Carneiro ou Leixões, a malta depois decide)-Madrid, Lisboa-Madrid e Porto-Lisboa!