sábado, 17 de março de 2007

Dos Açores a Bassorá


À primeira vista, parece apenas o criminoso que, por acção ou omissão, começou uma guerra que matou certamente mais de 50 mil pessoas. À segunda vista (carregando com o cursor do rato em cima da imagem), percebemos que, afinal, são as caras de alguns dos soldados americanos mortos.

Dados de ontem à noite indicam que morreram 3.209 soldados americanos (mais do que os mortos no atentado do 11 de Setembro), 23.785 ficaram feridos, o mínimo - o mínimo - de iraquianos civis mortos é de 58.908 (dados aceites pelo chefe militar "aliado" no Iraque) e o número estimado por mais do que uma ONG é dez vezes superior.

Ainda alguém se lembra quais eram os motivos da invasão do Iraque, quatro anos depois? Sabemos quem são os cúmplices do crime?

12 comentários:

jorge c. disse...

Já viste se todos os dias de manhã acordássemos e escrevêssemos posts sobre as atrocidades cometidas pelo Homem ao longo da História, especialmente no sec. XX?
Este ódio de estimação por George Bush é só por ele ser burro ou é por ser americano, ou melhor, «o demónio capitalista»?
Há problemas pelo mundo todo, há milhares e milhares de pessoas a morrer à fome, mas a preocupação das pessoas é Bush. Depois entra-se num histerismo à la Clara Ferreira Alves que se transforma em auttismo e começa-se a falar mal de Durão, Aznar e Blair.
O que têm feito os novos líderes de diferente?
Toda a gente sabe que há um problema grave no Iraque, mas também há no resto do mundo e depois?
Se calhar se todos contribuissem com alguma coisa que não fossem montagens (vídeo, fotografia, etc.) e ajudassem cada população a ser mais exigente as coisas andavam de outra forma. O problema é que há pessoas que acham que viver em democracia é fazer piadinhas, porque sim isto é uma boa forma de informar! Sem dúvida alguma!
Não acham que já chega de anti-americanismo? Se não gostam da política de Defesa Americana escrevam para lá, ou vão à Oprah. Agora, já não há paciência! Estou tão farto de Bush como dos seus opositores.
Sem querer ser pretensioso, há um autor chamado Robert Kagan que escreveu um artigo chamado «Power and Weakness». Ajuda a entender parte do pensamento e filosofia americana. Entender significa aqui conhecer mais um pouco, não compreender.

Já agora, esta brincadeira é capaz de estar a pesar um bocadinho blog. Pelo menos estou com algumas dificuldades. E o problema do firefox mantém-se.

GRaNel disse...

Parece-me a mim que o que se deve retirar deste post é o erro que se está a cometer no Iraque. E isso é inequivoco. Seja com Bush, com um qualquer outro americano ou mesmo com um Europeu armado ao pingarelho. E os erros devem ser corrigidos... de preferência rápido e bem (quando possivel).

Quanto à forma como se passa a mensagem lamento desapontar-te Jorge mas são exactamente as pessoas que fazem as ditas montagens que muitas vezes despertam as multidões. Confesso que não esperava ouvir isso de um tipo que se diz tão ligado às artes. E nunca te esqueças que a critica é parte essencial da democracia.

GRaNel disse...

O acesso ao blog estava meio lento hoje isto porque a imagem que ilustrava este post era bastante grande. Assim, tomoei a iniciativa de lhe reduzir um pouco a resolução bem como o tamanho. Acho que contudo, não compromete a "mensagem" e alivia o acesso ao blog.

Fil, pela intromissão e edição de um post que era teu, peço-te desculpa e espero que não te chateies comigo.

Grande abraço a todos.

jorge c. disse...

E isto é arte???

Ok, desisto de ter discussões sobre arte com alguém que pode considerar uma colagem primária e imbecil numa obra de arte ou até como uma boa forma de crítica.

Repudio o que se passa no Iraque e no resto do mundo. Até em Portugal com a miséria patente nas cidades. Não aceito é esta obsessão desmesurada por Bush! Só isso. Não gosto do senhor, mas também não gosto do meu professor de Direito Internacional, não é por isso que lhe vou declarar ódio de morte. Bush é apenas um bode espiatório do anti-americanismo.

Não tiro mérito à intenção do Filinto. Mas como diria a minha mãe «escolham um guarda republicano para se queixarem».

GRaNel disse...

Correndo o risco de isto se tornar num diálogo, devo-te dizer Jorge que Arte é toda a expressão de sentimentos e mesmo de opiniões. Pode ser má arte ou podes até reduzir a montagem a montagem de fotografias, passe a repetição, mas o que é certo é que ela é feita com um propósito e a meu ver conseguiu-o. Desconheço a autoria mas arriscaria num Norte-Americano que deciciu fazer uma critica à administração Bush. Parece-me tão legitima e tão pura como o "Bartoon" do Luis Afonso...

jorge c. disse...

Eu nem sei se tenho condições para responder a esta imbecilidade. (o que vocês não sabem é que eu e o Granel estamos a conversar no messenger e a discutir no blog).

Queres mesmo comparar o Luís Afonso a esta brincadeira pirosa? Está bem. Força!

filinto disse...

Meu caro Jorge, não é possível deitar argumentos para cima de números nem verborreia para cima de números de pessoas mortas, por isso, antes de fazer log off, deixo-te um link. Enjoy!

Obrigado Granel, a ligação cabo não permite perceber a lentidão.

Bom fds!

jorge c. disse...

Se vocês se forem manifestar pela paz eu juro que vos acompanho. Em pura manifestação de paz já participei em algumas actividades. Nunca experimentei fazer uma colagem com um bode espiatório.

Um abraço e bom fim-de-semana, seu taliban!

GRaNel disse...

Por muito que discutas o bom gosto da imagem, a sua execução e que estejas farto de anti-americanices, há limites... é que dizer que no caso Iraque Bush é um bode espiatório é no minimo, desonestidade na discussão. E pergunto? Estás assim tão vazio de argumentos?

jorge c. disse...

Atenção que eu não disse que no caso Iraque ele era. Eu disse que ele era.
Quanto à montagem, simplesmente está desprovida de qualquer graça, só isso.

rodrigues76 disse...

Peço desculpa por não identificar o autor desta pequena história, mas conta que um dia Alexandre o grande interpela um pirata e lhe pergunta porque vive do crime e do massacre, ao que lhe responde o pirata algo parecido com "a mim que utilizo um pequeno navio chamam-me pirata, a ti que usas uma grande armada chamam-te imperador..."

Rui Vieira disse...

Respondendo à questão formulada pelo Filinto, espero que de facto ainda muita gente se lembre dos motivos de invasão do Iraque. O Procurador do Tribunal Penal Internacional admitiu recentemente colocar Bush e Blair no banco de réus. Estou em crer que o Procurador não padece de um ódio de estimação, e que já estará em posse do relatório Blixen onde afirma que não existia qualquer tipo de arma de destruição maciça.
Ah, desculpem, mas entretanto recordei-me que os campeões da democracia, vulgo EUA, não ratificam a autoridade do TPI. Pena...
Quanto à qualidade artistica da imagem, parece-me que cumpre vários objectivos da Arte. Reflectir sobre a sociedade, inovar nas técnicas e Provocar!