quarta-feira, 16 de maio de 2007

Otários I

O mundo está cheio deles. Muito mais do que possamos imaginar e muito mais aparvalhados do que seria humanamente possivel. Assim, farei um esforço por filtrar todos os otários deste nosso planeta por forma a não vos maçar muito.

Assim, o primeiro otário distinguido será o povo Americano (excepção feita aos nossos blogamigos) e a quem legisla naquele país. É que não há outra definição para quem dá licença de porte de arma a um bebé de 10 meses - Otários.

Pelos vistos, o massacre de Virginia Tech já foi esquecido.

Podem saber mais aqui.

7 comentários:

rodrigues76 disse...

O sagrado direito americano à defesa...
Voltamos a falar da "cultura do medo"...
Voltamos ao "Bowling for Columbine"...

filinto disse...

não estarei errado, será só confirmar num site (mas agora não me apetece), se disser que a cada duas semanas morrem no iraque tantos jovens EUA como os mortos na virginia. E a cada dia morrem tantos iraquianos só na zona de bagdad como os abatidos na Tech.

já contei ao granel mas fica para memória futura. há uns anos, não sei se foi no texas, mas creio que sim, tentaram passar uma lei que proibia comprar mais do que uma arma por mês. a proposta foi recusada porque, aparentemente, segundo constava nas sondagens, os políticos tiveram medo que os eleitores os punissem porque, assim, com esta lei, não poderiam comprar mais do que uma arma na altura do Natal. O que é que iam oferecer?

Marta Araújo disse...

What kind the world they are? Whatever...

Pessoas diferentes, culturas desiguais e hábitos igualmente distintos. Muito para além de um país diferente...eu diria que é um mundo que ainda nos é algo «desconhecido» - embora possamos pensar que não (e estou a falar por mim como é óbvio) - porque ainda só vamos sabendo aquilo que eles querem que nós saibamos. Claro está que de vez em quando surge esta quase «fuga de informação». Daí estas nptícias ainda nos chocarem. Mas acho que por pouco tempo...

upsss! disse...

Pois, é daquelas coisas, em que a pergunta será… porque se fazem leis imperfeitas…
Ou melhor ainda, como é possível que um dos Estados com a legislação mais restritiva em relação à atribuição de licenças de porte de arma e sua aquisição, seja permeável ao ponto de possibilitar a ocorrência de duas anomalias tão próximas e tão escabrosamente graves na atribuição de licenças e na venda/aquisição de armas, da segunda já se conhecem as consequências, aguardemos pela próxima…

Já me convenci, que por muito trágicas e graves que sejam as consequências da utilização de armas ilegais ou não (na ausência de qualquer conflito armado), por adultos, adolescentes ou crianças, nos EUA… muito dificilmente será possível alterar o “estado das coisas” a mentalidade instalada … e se não se mudam as mentalidades…. Se calhar é justa a classificação…

jg disse...

Será que a arma da criancinha era um carregador em pente com decibéis tracejantes para o aparelho auditivo do Miguel Sousa Tavares?!

GRaNel disse...

lol Grande imagem. E traz-me à memória o "grande" Stewie Griffin e a sua mega-arma...

Anónimo disse...

"Guns don’t kill people, people kill people. But they usually use guns" :)

Ass. Miguel