quinta-feira, 12 de abril de 2007

Museu da Fotografia na Arte Contemporânea no interior da cave do Pinguim

O que se pode falar de uma sessão que mais pareceu uma viagem por um museu, onde deixamos o nosso corpo, espirito e vontades, navegar pelo mar tortuoso, ou não, das obras que pretendemos ver?
Sendo assim, convido-vos caros amigos pinguins, a deixar que as palavras que iram ler, vos transportem novamente à cave do pinguim pela mão e voz do Tó, que nos levou ( sentados nessa mesma cave) a um museu da fotografia de arte contemporânea.
Esta viagem teve 7 portos, cada um com a sua própria forma de nos arregalar o olhar, e quebrar os padrões morais, com aquilo que nos foi dado a conhecer.

O primeiro porto é o fotografo David Lachapelle. http://www.davidlachapelle.com/home.html
Fotografo Norte Americano, onde a sua fotografia mostra um mundo surreal de imagens, onde o glamour e o cómico vivem de forma eternamente bela.

O segundo porto, é o casal de fotógrafos Pierre et Gilles. http://www.optimistique.com/pierre.et.gilles/

A obra deste casal homossexual assenta em Fotografias altamente estilizadas, sendo os cenários construídos por eles, assim como os figurinos e toda a pós produção fotográfica. O seu trabalho, em que muitas vezes se retratam a si próprios, reflecte a cultura popular, a cultura homossexual e a religião.

O terceiro é Robert Mapplethorpe
http://www.mapplethorpe.org/

Mapplethorpe produziu um trabalho consistente ao longo da sua vida procurando equilíbrio e perfeição, o que lhe valeu estar no topo dos artistas do século XX.
Em 1987 criou uma fundação para promover a fotografia, apoiar exposições de arte fotográfica nos museus e financiar a pesquisa médica assim como projectos para combater doenças relacionadas com SIDA e HIV.

Ao virar a esquina, temos o quarto porto, onde Thomas Ruff mostra a sua arte.
http://www.artnet.com/artist/14677/thomas-ruff.html

Em 2003 publica a colecção fotográfica chamada (Nus) inspirada na pornografia da Internet, trabalho que foi recebido de forma ambivalente e controversa.

Já no quinto porto temos Jan Saudek
http://saudek.hit.bg/

Nasceu em 1935 em Praga onde vive e trabalha hoje em dia, grande parte da sua familia morreu nos campos de concentração nazis da II Gerra Mundial. Ele sobreviveu à guerra e trabalhou como impressor nos anos 50, nos anos 60 depois de cumprir o serviço militar obrigatório, inspirado pelo trabalho de Steichen, decidiu seguir uma carreira como fotógrafo profissional.

Quase no fim deparamo-nos com o sexto porto, o de JAM Montoya
http://www.jam-montoya.es/

Fotografo de grande coragem digo eu, pois com o apoio da Junta da Extremadura, lançou alguns catálogos de fotografias suas, um deles sobre a Paixão de Cristo que tem levantado alguma polémica, com candidatos eleitorais a insurgirem-se no processo.

E finalmente, o ultimo porto, Joel Peter Witkin
http://zonezero.com/exposiciones/fotografos/witkin/jpwdefault.html

Este, no meu ponto de vista é aquele que mais choca o comum dos mortais, pois toda a sua obra fotográfica assenta no uso de cadáveres, dando uma eternidade artística aos seus modelos.

E assim foi mais uma sessão do do Clube dos Pinguins, onde a arte entrou mais uma vez pela retina de nossos olhos.

Ps: peço desculpa pelo tamanho do post... mas foram 7 fotógrafos....

7 comentários:

Cláudia N. disse...

Dizem que o tamanho não importa, mas eu adoro que o post da sessão seja GRANDE e cheio de informação, principalmente quando não vou, porque assim posso inteirar-me do que se passou na cave. Parabéns pelo post Águia, estava mesmo como eu gosto, e os links são realmente muito importantes para perceber que a sessão deve ter sido fascinante.Foi um belo trabalho de casa que tu fizeste.
Parabéns Tó, pela amostra e pelo post, e por aquilo que a fotografia significa para ti, tenho a certeza de que foi uma excelente sessão.

GRaNel disse...

Uma sessão com o carimbo do Tó sem duvida. Polémica, chocante e com fotografia. Para que não me chamem Águia (lol) digo apenas GOSTEI.

Quanto ao post, muito bom, repleto de infomação e retrata fielmente o que se passou na nossa cave.

Muitos parabéns aos dois...

Rui Vieira disse...

Não é fácil comentar este post, porque uma pessoa distrai-se maravilhado com os links. Perder qualquer sessão do Clube é sempre algo que me empobrece, mas quando é o Tó sei de antemão que o prejuízo é grande. Mais uma vez, percebe-se que esteve no seu melhor.
O post, está mesmo como eu aprecio. Contagiado pela paixão...
Parabéns a ambos!

fil disse...

Como conhecia a maior parte daqueles trabalhos, para mim a sessão teve especial encanto porque percebi - graças ao Rodrigues76 e a outro Pinguim que gostava de saber o nome mas que se me varreu e explico já porquê - algumas fotografias/obras de arte que gosto há vários anos apenas "porque sim". Depois de os perceber melhor, fiquei a gostar mais ainda do Witkin, a gostar menos do Mapplethorpe, a "aceitar" algum do trabalho do Thomas Ruff... E agradeço ao Rodrigues76 ter-me apresentado o senhor Sudek, de facto, um caso único, de originalidade, de bom gosto ("porque sim") e de percurso.

Claro que a parte que mais gostei foi o pós-sessão, quando aquele ambiente menos formal permitiu soltar a conversa. De tal forma ela se soltou que dormi pouquíssimo, atrasei um trabalho (que devia estar a escrever agora aliás, mas prontes) e esqueci nomes...

O Águia foi um belo cicerone neste post mas o espaço não lhe permitiu dizer que a sessão foi gerida manu-militari, que regressou a Pinguim#3 e que a decoração mudou -- desculpa esta adenda mas é vício de profissão.

(depois desta Rodrigues76 espero que não estejas, quanto foi? um ano?, um ano sem apresentar, bem hajas)

Aguia disse...

Fil, obrigado pelo facto de teres falado da nova decoraçao do pinguim, e da volta de um antigo pinguim ( acertei nao foi?).
O outro pinguim que estava na sessão chama-se Helder.

Forte abraço, Fil

filinto disse...

Obrigado Águia, e desculpa Hélder. Já agora, Tó, esqueci-me de por um smile no "manu-militari", foi muito bem conduzida a sessão.
Sim, houve o regresso de uma das fundadoras, da #3, segundo os velhinhos ;) e ela contaram.
bjs e abçs

Marta Araújo disse...

A fotografia é uma das minhas paixões portanto, e como não podia deixar de ser, gostei muito da sessão. Alguns trabalhos já conhecia mas outros não tinha, de todo, ouvido falar. Obrigada Tó por teres ajudado a alimentar com mais informação este meu gosto pela fotografia entendida, neste caso específico, como obra de arte em união com outros tipos de arte.

O Águia esteve também muito bem a postar. Parabéns aos dois!