quinta-feira, 9 de março de 2006

Dia Internacional da Mulher


Não pensem que troquei as datas, mas como ontem muita boa gente andava a digerir o repasto das azeitonas e para não desviar a atenção do post da Ana sobre a matéria, achei por bem publicar este magnifico excerto da Virginia Woolf, sobre a luta da mulher pelo seu reconhecimento individual, apenas hoje:

“... Descobri que ... Precisava travar uma batalha com um determinado fantasma. e o fantasma era uma mulher, e quando cheguei a conhecê-la melhor, passei a chamá-la pelo nome da heroína de um famoso poema, "o anjo na casa" ... Ela era intensamente simpática. Maravilhosamente encantadora. Totalmente abnegada. Ela se distinguia nas difíceis tarefas da vida em família. Se havia galinha, ela ficava com o pé, se havia uma corrente de ar, sentava-se bem ali. Em suma, sua constituição era tal, que ela nunca tinha um pensamento ou desejos próprios, preferindo antes apoiar os pensamentos e desejos dos outros. Acima de tudo, ela era, é desnecessário dizer pura ... E quando me punha a escrever, deparava-me com ela logo nas minhas primeiras palavras. a sombra de suas asas espalhava-se sobre a minha página; eu ouvia o farfalhar da sua saia no quarto ... Ela se aproximava furtivamente pelas minhas costas e sussurrava ... Seja simpática; seja delicada; faça elogios; engane; lance mão de todas as artes e ardis do seu sexo. Nunca permita que alguém pense que você tem um pensamento próprio. Sobretudo, seja pura. E agia como se estivesse guiando a minha caneta. Relato agora a única ação que me levou ter um apreço por mim mesma ... Voltei-me para ela e a agarrei pela garganta. Apertei com toda minha força, até matá-la. Minha defesa, caso fosse levada a um tribunal, seria a de que agi em defesa própria. Se eu não a matasse, ela me mataria.” (Virgínia Woolf)


créditos: Pipia , retirado de http://www.olhares.com/luz/foto1203.html

2 comentários:

Cláudia N. disse...

texto perturbador de uma escritora surpreendente, e atrevo-me a dizer que o fantasma é uma parte dela, imposta pela sociedade, mas que ela quis destruir.

psyché disse...

Muito forte e bonito...verdadeiro também...
tenho me apercebido de todas as vezes que contacto com mulheres-fantasmas e histórias de mulheres-fantasmas, que muito do sucesso dos seus homens e nossos homens também não teriam surgido se não fossem estas mulheres.Começo a reconhecer que por vezes não é preciso o dia da mulher e atenções sobre o seu papel para a valorizar,pois só quem for cego mentalmente não o reconhecerá..
continua a ter a mulher em todas as sociedades uma espécie de nevoado à sua frente, nos seus actos, nas suas palavras e pensamentos...mas que vão sempre e inevitávelmente mudar o futuro...para melhor ou pior pois continua a ser uma ser humano..
Existem estudos feitos em como a mulher é mais forte em termos psicológicos e está melhor preparada para sofrer do que o homem, perguntam-se porquê?devido à história, de abusos, de pressões, de explorações que as mulheres têm sofrido ao longo do seu crescimento dentro da humanidade...
Contudo as mudanças são vagarosas e a mulher ainda vai continuar a sofrer por ser mulher..ou porque se expõe e dorme com quem quiser e é livre sexualmente e por isso nos chamam de putas, (para não falar da questão do comérciosexual que existe e que se explora animalmente), ou porque não tem sequer o título de ser humano - não tem cara,nem coração, e vestes tapam o resto que podía existir...parece que é assim o destino da mulher seja qual for a mais distinta sociedade ou cultura!
..mas somos nós quem trás dentro no ventre um mundo!!!
Não me considero uma mulher fantasma, não fui educada assim, tive plena liberdade para me aperceber disso, e secalhar por nunca ter morado com o meu pai (que é quem mais me ouve à cerca deste assunto), não cheguei a sofrer o tal inconsciente masculino que enévoa as mulheres..cresci dentro de uma família muito feminina e por isso pude gritar!as mulheres da minha família são lindas!as mulheres do meu mundo são lindas!
Apercebo me plenamente do suicídio de que fala Virgínia Wolf...
Penso que são opções que cada uma terá que optar, mesmo que implique uma luta que parece vir sempre contra nós..o que melhor nos ajude a sobreviver...

Rui ainda bem que puseste este post...parece que estava a precisar de dizer algo...jinhos