quarta-feira, 11 de julho de 2007

PUB...


Nos primórdios do tempo o homem vendia os seus produtos desta forma...

-Senhoras e cavalheiros, meninos e meninas, aproximem-se da banca, vejam o milagre dos tempos modernos, a oitava maravilha do mundo. Não tenham receio... aproximem-se...

Vejam, vejam, o que este pau com um pano na ponta pode fazer, é só juntar água ( nota do postador: na altura não havia detergentes) e o chão da vossa cozinha fica limpinho, até podem comer lá!!!
Vejam vejam.. é a maravilha dos tempos modernos...

Após esta breve apresentação do produto, a audiência ficava estupefacta e lá ia aos magotes, comprar o raio do pau com um pano na ponta.

Mas hoje em dia é diferente, muito diferente...( ou não)

Em vez de colocarem um senhor de meia idade aos gritos a vender o raio o produto, colocam uma dona de casa sem rugas e na casa dos trinta, a limpar feliz da vida o chão da sua cozinha, utilizando, não um pau com um pano na ponta, mas sim uma esfregona.

Esfregona essa que ela ama e deseja ( como se fosse o seu Deus pessoal), e ao invés de se poder comer no chão da cozinha, surge o seu filho de tenra idade a gatinhar no mesmo chão, que ela minutos antes tinha acabado de limpar.

O que isto tem haver com a sessão do Hugo, tudo... Pois ele vendeu-nos o seu produto, a sua paixão, a Publicidade.

Esse mundo fascinante que nos devora e molda comportamentos, esse Deus desta era moderna, que nos faz acreditar que tendo o último modelo daquele carro irá nos fazer conquistar aquela loiraça que tanto desejamos, que faz acreditar que uma mulher sem rugas de expressão ficará 20 anos mais nova, basta só aplicar aquele creme milagroso.

Enfim.. o Hugo abriu-nos as portas para a máquina de sonhos que é a Publicidade.
Mas não se falou só de vender produtos, pois a sessão até foi aberta com a publicidade institucional,

Sabem aquele que serve para promover eventos e informar os telespectadores que se vai desenrolar algo diz X no local X ás horas X.

Além de ter falado desta vertente menos consumista da publicidade, o Hugo deu-nos a conhecer uma parte do seu excelente trabalho, BRAVO HUGO ( já consigo ver a tua linguagem televisiva)

Mas um dos pontos altos da noite, foi sem dúvida os videos da Brastemp
Pois esta marca de electrodomésticos é a dona de um mítico slogan que é mais ou menos isto... A esfregona é boa, não e assim nenhuma Brastemp, mas... ( pegando no exemplo da esfregona do inicio do post)

Após tudo isto, acabamos por comprar a noite, sendo donos dela, como se uma lovemark se trata-se, e ficamos na mais pura alegria e divertimento, (com alguns anúncios uns de cariz mais provocatório, outros não) a rir que nem perdidos com o produto adquirido, o mundo da PUBLICIDADE

7 comentários:

Rui Spranger disse...

Pois é, a sessao foi extraordinária e caro Aguia o teu post está excelente.
Ainda tenho que descobrir a foto da publicidade ao gel lubrificante para por aqui. É velhinha mas é excelente.
Parabéns aos dois.

filinto disse...

Atravessei o milénio com um grupo de motociclistas (a maior parte deles detestava o presunçoso nome de motard e o depreciativo motoqueiro), e, devo dizer-vos, não há gentinha mais chata quando começa com as suas conversas. Ele é o piston, ele é o cachimbo, ele é o... Bebem bem e comem muito e são muito divertidos, mas quando estão em maioria são insuportáveis. Numa das últimas noites do milénio passado, "reclamei" ao organizador do encontro, que trabalhava comigo no jornal (era cartoonista), da seca que é quando se juntam motociclistas a falar de motos. Na resposta disse-me: "É para veres o que eu aturo todos os dias, quando vocês se juntam". Com o vocês estava a referir-se aos jornalistas. A nós. Aos chatos que nos juntámos em grupos de três e temos conversa para a noite inteira.

O que é que este totó está para aqui a dizer: Que lamento não ter assistido à sessão mas que tenho uma boa razão. Quando os jornalistas se juntam são normalmente um bocado chatos para os "civis", mas por vezes têm razões para se juntar e conversar. Foi isso que aconteceu na terça-feira. Desculpa Hugo, mas acredito que percebeste a minha ausência. Obrigado senhor Águia, por, com o seu post, me ter feito sentir ainda pior por não ter assistido à sessão.

Mosquitto disse...

Obrigado Hugo por nos teres trazido um pouco de publicidade. Há pormenores que me escapavam e que brilhantemente explicaste. Gostei.

Marta Araújo disse...

:(

Fico chateada. Claro que fico chateada. Como é que não havia de ficar chateada?

A publicidade, a par do marketing (este ultimo vocês já sabiam) é também uma das minhas paixões. Sempre foi uma das minhas 'cadeiras' preferidas (aqui está um momento nostálgico - que lindo!). Não gosto de a 'consumir', aliás acho que por gostar tanto dela e ter conhecimento dos seus pressupostos/métodos/objectivos, ela a mim, como hipótetico público-alvo, dificilmente me atinge (escrevi dificilmente e não nunca, ok?). Com isto quero dizer que fico mesmo com muita pena de não ter assistido à sessão. É tal coisa...a vida é feita de escolhas e de prioridades, e o jornalismo, sem dúvida está, como sabem, muito bem classificado no meu ranking pessoal.

Fica aqui um renovado pedido de desculpa e os parabéns, isto a julgar por aquilo que conheço do Valter, do tema e, claro está, pelo conteúdo do post (muito bem doutor Àguia!). Parabéns aos dois!

GRaNel disse...

Foi uma sessão descontraída e informal mas carregada de conteúdo. Da institucional à comercial ficámos a conhecer os meandros por detrás de um anúncio. E foi bom ver o pessoal todo bem disposto a rir a bandeiras despregadas dos spots que o Valter nos ia mostrando. Como o disse, a Publicidade também é uma paixão minha. Logo, só podia gostar muito da sessão. E o Valter abrilhantou-a ainda mais. Bravo.

No paragrafo acima digo que o produto é bom, mesmo bom. Se não tivesse sido, também não haveria problema. Com um post destes é fácil vender o produto. Obrigado Águia. Pelo post e mais uma vez pela celeridade.

jorge c. disse...

Tenho pena de não ter estado. Ossos do ofício (?).
Certamente que foi uma excelente sessão a avaliar pelo post.

Rui Vieira disse...

Não sendo um publidevorador convicto, sempre gostei de prestar atenção à publicidade.
A sessão do Hugo, mostra mais uma vez que aquilo que para alguns é mera diversão, para outros é levado bem a sério.
A sua paixão conduziu-nos aos meandros do filme publicitário, com preciosas explicações. Parabéns Hugo.
Quanto ao postador, enamorado que é pelo tema, o resultado só podia ser este excelente post.