terça-feira, 31 de julho de 2007

Close up e corta, manda guardar (religiosamente)

Alguns amigos anotam isto: raramente um génio falece sozinho, há sempre outro que o segue.
O último caso que me lembro foi o de Sophia e de Carlos Paredes, há três anos, e agora sucede de novo: Ingmar Bergman e Antonioni.


O Sétimo Selo

Profissão Repórter

2 comentários:

jorge c. disse...

Uma notícia ontm e outra logo pela manhã.
Gosto muito do Bergman, mas fiquei desolado com a morte de Antonioni, um dos meus preferidos de sempre.

É assim, a vida!

filinto disse...

uma amiga avessa a comentar, disse-me offline que se calhar os génios morrem aos pares porque precisam de alguém para jogar xadrês, como no recorte do Sétimo Selo.