terça-feira, 19 de dezembro de 2006

A Magia das Palavras

No passado dia 05 de Dezembro, a Cláudia levou o Clube dos Pinguins numa incursão pelo mundo mágico da poesia. Como bússola, usou os recantos da sua alma onde habitam palavras, às quais emprestou a emoção e o encanto da sua voz de mel e canela.

A descoberta do encantamento lançado pelo feitiço de um poema começou quando tinha 11 anos, provavelmente enquanto ainda a inocência deixava que os olhos do coração vissem para lá do que está escrito e sentissem o ritmo criado pelo confronto entre os significados e significantes.

E como todo o momento mágico tem o seu ritual, também a nossa anfitriã tem o seu para destrancar a porta secreta: sentir o livro nas mãos e deixar que o destino as guie na busca da expressão perfeita para o sentimento perdido nas brumas da razão. Porque os nossos poetas são tantas vezes a corda a que nos agarramos para fazer sair o pensamento da areia movediça das emoções.

Assim começamos a nossa viagem na companhia de Cesariny para percebermos que “Afinal o que importa não é a literatura nem a crítica de arte nem a câmara escura” mas “é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício e cair verticalmente no vício”

Fomos depois levados á presença da “Princesa de Braços Cruzados”, que nos falou de todos os que se sentam debaixo da árvore do presente à espera que lhes caia no colo o fruto perfeito oferecido pela sorte. E no meio de um sorriso e de uma gargalhada abafada, imagens cortadas à memória obrigaram-me a olhar os meus braços e interrogar-me se não estariam também cruzados. Nesse instante, fui princesa. Será que fui só eu?

A viagem continuou e visitamos Herberto Helder, Sofia de Mello Breyner, entre outros, até à grande surpresa da noite!

Mais do que a sua paixão, a Cláudia quis partilhar connosco o lugar onde cada um de nós se senta confortavelmente no seu coração. E esse lugar eram poemas, esses poemas palavras e essas palavras as nossas imagens reflectidas no espelho dos seus olhos verdes de ternura...

A nossa jornada terminou em grande! Com toda a emoção e energia a jorrar do fundo da alma, a Cláudia embriagou-nos ao ritmo do “Fado Falado”, empurrando e afagando as palavras que ecoaram em nós muito para além do poema.

Obrigada Cláudia, por todas as emoções que ousaste partilhar connosco! E muito, muito obrigada pelo presente, pois mais do que pintados com palavras, as folhas trouxeram a magia da amizade!

Obrigada e parabéns, Amiga!

7 comentários:

Ana disse...

Sim, eu sei...não vos vou dar o meu rol de razões porque estas ja não têm valor... apenas as minhas desculpas e o coração apertado pelas desilusões. E se for muito difícil, que o perdão seja a minha prenda de natal...

GRaNel disse...

Brilhante post... e igualmente brilhante sessão. Beijinho grande às duas (com todo o respeito Vieira... lol)

Jorge Carvalho disse...

Excelente post. Muito bonito. Pena não ter ido como já disse.

Queria apenas dizer à Ana que o Clube tem como base alguns valores indispensáveis, e um deles é a solidariedade, e o outro a subsiariedade. Isto significa que quando poor algum motivo não formos capazaes de fazer alguma coisas os outros membros estão lá para nos ajudar. Basta pedir!

Marta Araújo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Marta Araújo disse...

Acho que é caso para dizer: palavras para quê? O post está absolutamente fantástico...que bom que é saber que há pessoas que têm a capacidade de nos ir surpreendendo.

Parabéns Ana...de facto as palavras podem não valer absolutamente nada em certas alturas mas é certo, e este é um desses casos, em que valem ouro e estão revestidas de uma beleza surpreendente.

Gostei muito. Mesmo muito. No que diz respeito à sessão da Cláuda, e porque não me quero repetir, foi também brilhante e surpreendente. Como diria alguém: é, sem qualquer margem para dúvidas, uma dupla de respeito!

Rui Spranger disse...

Parabéns Ana! Excelente post!
A Cláudia tornou-se a primeira pessoa do Clube a ter dois posts da mesma sessão. Parece-me muito louvável e apesar do atraso teres vindo aqui colocar o teu post. Parabéns!

Rui Vieira disse...

A minha desilusão foi esperar tanto tempo para ler estas palavras carregadas de amizade e poesia.
Estava certo de que irias espelhar os momentos mágicos da sessão da Cláudia.