segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Arma descarregada

A reflexão é um ponto de partida para a manutenção da estabilidade e continuidade de qualquer prática comum. Ao olharmos para dentro, com um certo pragmatismo diga-se, estaremos sempre a construir, não podendo esta acção ser confundida com o «pôr em causa».

Assim, estou em crer que é de todo necessário estabelcer um sistema de regras e de conduta mais aprofundado para o nosso Clube dos Pinguins, correndo o risco de , se não o fizermos, perder alguma organização e, com isso, a ideia primordial deste nobre encontro de pessoas.

Em primeiro lugar, é de enorme importância o cumprimento dos horários. É prática comum, no nosso clube, o atraso excessivo da grande maioria dos membros. Este atraso tem provocado um prolongamento das sessões, o que poderá estar na génese do afastamento de alguns Pinguins e na não participação de outros que poderiam, eventualmente, acrescentar algo de positivo a esta comunidade.

Em segundo lugar, e em ligação directa com o ponto anterior, seria importante o não alongamento das farpas, situação que se tem vindo a repetir (e assumo aqui, também, a minha co-responsabilidade) e que tem contribuído para o prolongamento exagerado das sessões.
A minha sugestão é, portanto, que seja o blog o lugar de discussão das farpas. Não tirando esse lugar àquele primeiro momento da sessão, mas aliviando esse mesmo momento (um género de uma desburocratização) e criando, ao mesmo tempo, maior actividade no blog, que nos ùltimos tempos tem sentido um enorme decréscimo no que diz respeito à participação (tanto de "postadores" como de comentadores).

Outro ponto tem que ver com a assunção da sessão por parte do apresentador. É necessário que o apresentador concretize de facto o controlo da sessão. Em alguns casos isso tem acontecido, mas outros há em que não é isso que se verifica. Quero com isto dizer que o apresentador tem não só de saber gerir a sala da forma que achar mais adequada (e não ser de todo permissivo) e saber ao mesmo tempo receber quem de novo chega para evitar um afastamento dos estreantes e para que estes compreendam objectivamente qual é o fundamento de tal reunião, mesmo após uma primeira abordagem do Paulo, ou de quem quer que tenha endereçado o convite.

Parece-me, também, que se está a perder um pouco o silêncio necessário para a uma maior atenção a cada sessão. A responsabilidade é de todos, pois essa conduta funciona como um vírus (afirmo aqui também a minha co-responsabilidade em tal questão) e acaba por se tornar, a meu ver, falta de respeito. É, no sentido do ponto anterior, também da responsabilidade do apresentador controlar essa situação, esperando-se a compreensão de todos.

Em relação ao blog, como já referi, este está em queda, como poderão reparar. Embora apareçam novos atractivos, parece ter perdido a atenção da maioria dos Pinguins. É claro que nem todos têm disponibilidade para consultar o blog com frequência, mas era, no mínimo, simpático um pequeno comentário aos posts que vão sendo colocados, nem que seja para congratular quem os coloca pelo trabalho a que se deu.

Em suma, não se pretende com isto formalizar em demasia o Clube dos Pinguins, a informalidade está em cada sessão, no carinho e na paixão com que os temas vão sendo apresentados, mas também, e essencialmente, no respeito com que são recebidos. Se todos concordarem, este tipo de condutas não poderão ser como as normas de Direito Internacional, que muitos julgam ser como uma arma descarregada apontada à cabeça do infractor (até porque aqui não há infractores, mas sim distraídos).
Se esta reflexão for assumida por todos e gerar algum consenso, acredito que o Clube só poderá sair a ganhar.

Aguardo então por reacções, sugestões e indignações.

5 comentários:

rodrigues76 disse...

Completamente de acordo!
O que mais me agrada nos pingins é o espirito anarca, mas a anarquia não significa, nem aqui nem em lado nenhum, falta de respeito...
Este espaço é de todos sem donos nem chefes e por isso mesmo deve imperar o bom senso por parte de todos!

Rui Vieira disse...

Não posso deixar de louvar o Jorge pelo oportunismo e pragmatismo deste Post.
Antes de mais, revela um profundo carinho pelo Clube e pelos seus membros, mas revela também uma séria preocupação ao qual se dignou reflectir.
Concerteza muitos de nós já o terão reflectido, mas o Jorge foi quem o decidiu verbalizar.
Custa-me infelizmente dar-lhe razão, porque algumas das falhas apontadas serão regras de elementar bom-senso, o que por outro lado me alegra, por saber ser fácil para cada um de nós corrigi-las. No fundo, basta um pouco mais de atenção.
Juntava apenas um ponto. As pessoas não são todas iguais, e se uns apresentadores são mais assertivos e com maior capacidade de controlar, outros não o serão. Devemos por isso manter o espirito de entre-ajuda e auxiliar aqueles que embora trazendo paixões excelentes , sentem-se desconfortaveis na posição de "mau da fita".

Vitor Elyseu disse...

estás a tornar-te um verdadeiro General!!!!

GRaNel disse...

É evidente que sou forçado a concordar com o Jorge. Precisamos de maior pontualidade e mais respeito pelas sessões apresentadas. Tambem precisamos urgentemente de trazer os membros ao blog. Só não poso concordar com o ponto das farpas. Muitos já se têm batido pelo seu desaparecimento, felizmente esse esforço tem sido em vão.Não nos podemos esquecer que as farpas têm servido, para alem da troca de ideias óbvia, para esperar por um atrasado ou ir entronizando os novos membros. Se com isso nos estendemos um pouco na hora... meus amigos, paciência - qualquer paixão tem os seus custos.

Rui Spranger disse...

As regras foram criadas para permitir uma maior participação e um melhor funcionamento do Clube. As farpas sempre fizeram e vão continuar a fazer parte das nossas reuniões semanais, mas o timing da meia-hora tem um sentido. As pessoas trabalham no dia seguinte! Obvio que podem e devem haver excepções, só que estas devem ser para o bom e para o mau, ou seja, devemos apontar uma hora limite para o fim da sessão, que para mim não deve ultrapassar a 1h da manhã e, tendo este limite, o apresentador deve calcular o tempo necessário à sua apresentação decidindo-se assim a duração das farpas, que nalguns casos podem ter mesmo que só durar 5 minutos ou nem existirem (podendo ficar para o final) ou serem mais prolongadas.
Tenho pena de não ter podido consultar este post mais cedo e, sobretudo, ter perdido a sessão de ontem!

Este comentário já vai longo, mas quero ainda acrescentar uma coisa. O blog, no meu entender, é sobretudo um veículo de informação.`É certo que a participação é importante, mas ela é sim fundamental nas sessões do Clube. Isto para dizer que consulto o blog sempre que posso e nem sempre deixo um comentário.