sábado, 11 de março de 2006

Ainda os cartoons...

6 comentários:

rodrigues76 disse...

Deixa-me atirar uma pergunta para o ar...
Será que alguém aprendeu alguma coisa desta suposta crise de valores?

psyché disse...

Parece que não?!!!!!hahahahaha(em relação ao cartoon)

Agora a sério, penso que sim..que se aprendeu algo não sei se foi o melhor, mas que existe agora uma maior certeza das grandes diferenças entre nós!...e também na forma como resolvemos os problemas culturais e a "as liberdades" que nós temos e a falta de sentido de humor que eles têm"!hehe
(Isto é viciante quando se pega nisto!)vamos acabar sem cartoonistas...hehe

rodrigues76 disse...

Se calhar isso é uma boa lição a tirar...
Precisamos todos de mais humor...

Jorge Carvalho disse...

Se calhar precisamos é de mais seriedade.
Penso que um dos grandes males da sociedade moderna, a ocidental é a falta de seriedade com que se enfrentam os problemas. Ou são os cartoons, ou Monty Python, ou o eixo do mal, ou o Luis Afonso ou seja lá o que for. Esta necessidade toda de comédia que é tipica de um mundo ocidental que se diz tolerante mas que não consegue compreender por que raio é que os outros não o são. E como não consegue compreender faz comédia... é mais prático! Faz-em lembrar a velha caça ás bruxas, mas desta vez mete uns rabiscos.
O ocidente foi atacado 3 vezes nos ultimos 5 anos por fundamentalistas! Já se perguntaram porquê? Porque são fundamentalistas! Não deveriamos nós ter um certo cuidado com isso?
Bemm, isto é só uma opinião, não quero parecer o «detentor da verdade», mas acho que temos de começar a ver as coisas para além do nosso umbigo ocidental e evoluidamente democrático e tolerante!

Rui Vieira disse...

Já Gil Vicente dizia que a "rir se corrigem os costumes" e admito que a melhor forma de os evidenciar é exagerá-los e expô-los ao ridiculo. Afinal de contas quem nunca riu e depois ficou a reflectir com o Contra-Informação?

Em relação à polemica dos cartoons continuo à espera que a poeira assente. E espero também que as conquistas da sociedade ocidental no que concerne à liberdade de expressão (quando exercida de um modo responsavel) saiam reforçadas.

Numa hierarquia de valores, sempre acho mais importante o direito à indignação do que o respeito pelo "status quo".

Miguel Miranda disse...

Tentei não comentar (os riscos de colocar aqui um comentário é evidente - moro num prédio com 36 fogos e não me apetece vê-lo trespassado por 747 da TAP, passo a publicidade) mas não resisti. Quanto aos cartoons acho-os, sinceramente, de mau gosto, mas a liberdade de expressão é isso mesmo, e temos de a respeitar. Jorge, não te fazia era tão seguidor do papá Freitas.